15 janeiro 2011

Doe órgãos


Para se tornar um doador de órgãos é fácil, basta conversar com os seus familiares que moram com você ou que estejam mais próximos. Pois é, basta avisar e deixar bem claro o seu desejo de ajudar outra pessoa quando morrer. De acordo com o Ministério da Saúde, não é necessário deixar nada por escrito, no entanto após a sua morte os seus familiares devem estar cientes de que deverão autorizar a doação através de um documento.
Após a identificação da morte encefálica, uma ou mais partes do seu corpo, incluindo órgãos e tecidos, que estejam em condições de serem aproveitadas para transplante, serão retiradas e guardadas em locais e sob condições apropriadas para que posteriormente sejam transferidas para outras pessoas que necessitam desta doação para sobreviver.
Entre os órgãos que podem ser doados, estão: coração, pulmão, rins, fígado, pâncreas, pele, córneas, ossos, medula óssea e outros tecidos vitais como as valvas cardíacas. Assim que um doador efetivo é identificado, a central de transplantes é comunicada, e através do acesso aos cadastros técnicos com informações de quem está na fila esperando por um órgão, selecionará um receptor adequado. Os critériosutilizados são a ordem da lista e a compatibilidade declarada através de exames específicos, por isso muitas vezes  nem sempre o primeiro da fila é o próximo a receber o órgão.
Além disso, mesmo após a morte e possuindo órgãos em estados apropriados para doação, é necessário que o corpo do doador tenha identificação e registro hospitalar, causa do coma estabelecida e conhecida, não apresentar hipotermia, passar por dois exames neurológicos que avaliam o estado do sistema nervoso, além de submeter-se a outro exame complementar que demonstre morte encefálica, caracterizada pela ausência de fluxo sangüíneo em quantidade necessária no cérebro, inatividade elétrica e metabólica cerebral.
Fique atento as informações dadas e se você deseja ser um doador de órgãos, converse com a sua família e mostre o seu interesse de ajudar outras pessoas depois de morrer.
VAMOS FAZER A NOSSA PARTE? 
AVISE SEUS FAMILIARES E CONTINUE VIVO EM OUTRA PESSOA. A IDÉIA É BOA E SOLIDÁRIA.

2 comentários:

  1. Bem,sobre isso ja fiz minha parte alguns anos atraz...doei tudo que eles quizerem pegar e tiver em bom estado.Qdo fui deixar meu nome para doar,a moça perguntou: Vai doar o que??Marlan aqui respondeu:tudinhooooo....kkkkkkkkkkk
    Ela riu,ficamos amigas e até hoje somos amigas.Alem de fazer uma das coisas que sempre quiz,ganhei uma amiga.E olha que não é uma amiga qualquer...amo de paixão!eu encontrei uma amiga e varios depois de morrer...hehehehe

    ResponderExcluir
  2. Olá, blogueiro (a),

    Salvar vidas por meio da palavra. Isso é possível.

    Participe da Campanha Nacional de Doação de Órgãos. Divulgue a importância do ato de doar. Para ser doador de órgãos, basta conversar com sua família e deixar clara a sua vontade. Não é preciso deixar nada por escrito, em nenhum documento.

    Acesse www.doevida.com.br e saiba mais.

    Para obter material de divulgação, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br

    Atenciosamente,

    Ministério da Saúde
    Siga-nos no Twitter: www.twitter.com/minsaude

    ResponderExcluir

Que bom ter você aqui.
Diga aí para nós: que palavras lhe define?

Obrigadão